Arquivos do Blog

4 tendências de Marketing em B2B que você não pode perder de vista para 2018

Marketing-automation

Muito já se fala em 2017, mas 2018 essas tendências deve explodir mais ainda devido aos avanços tecnológicos de soluções na nuvem. São elas:

1. Automação de marketing
Não seria ótimo se você pudesse automatizar suas tarefas de marketing B2B para economizar tempo? Com a automação de marketing, não só você será capaz de automatizar tarefas repetitivas como também pode nutrir perspectivas com conteúdo altamente personalizado e útil ao longo da jornada de compra.

2. Marketing de conteúdo
Durante muitos anos, o marketing de conteúdo tem sido uma técnica popular para nutrir e adquirir leads na indústria B2B. À medida que a jornada do cliente se torna mais longa, as empresas terão de implantar muita pesquisa em diferentes estágios do ciclo de vida do cliente. O marketing de conteúdo é altamente eficaz para as empresas B2B para educar potenciais clientes sobre as melhores práticas para a indústria.

Embora quase 90 por cento dos comerciantes B2B usem o marketing de conteúdo como um componente central de sua estratégia de marketing on-line, apenas 37% deles possuem uma estratégia documentada de conteúdo, de acordo com os benchmarks do Content Marketing Institute de 2017. De acordo com esses mesmos benchmarks, a falta de estratégia é a principal razão pela qual as iniciativas de conteúdo falham. Para tornar sua iniciativa de conteúdo efetiva, além de ter uma estratégia documentada de conteúdo, é vital também medir o ROI de marketing de conteúdo. Defina as metas que deseja alcançar através do marketing de conteúdo e avalie-as através de KPIs. Embora o marketing de conteúdo seja mais barato, não é certamente gratuito.

Para medir ROI, você precisa calcular o custo da produção e edição de conteúdo. Você também precisará medir vários fatores, como o tráfego, a consciência da marca e o envolvimento do cliente que você adquiriu através do marketing de conteúdo, juntamente com vendas e receita.

3. Personalização de conteúdo
Embora a personalização do conteúdo da web seja uma tática de marketing bem estabelecida entre os sites da B2C, as empresas B2B ainda estão lentas para adotá-la. Isso é bastante surpreendente porque a personalização de e-mails é uma tática comum em todas as indústrias. Com ferramentas de automação a personalização em tempo real 1: 1 torna-se mais acessível para pequenas empresas. Isso ajuda você a superar suas iniciativas de marketing baseadas em conta e fornecer uma experiência personalizada com base em vários dados demográficos do cliente, incluindo o nome da empresa, a indústria e outros dados. Sem dizer que, para tornar sua iniciativa de conteúdo sedutora em 2018, você precisa fornecer conteúdo dinâmico em seu site.

4. Marketing do LinkedIn
Tradicionalmente, as mídias sociais eram consideradas como um canal de geração de leads para o marketing B2C, mas cada vez mais profissionais de marketing mudam seu foco para as redes sociais para educar e se comunicar com potenciais potenciais. Assim como nos anos anteriores, o LinkedIn deverá superar outros canais sociais para empresas B2B. Depois de ser adquirido pela Microsoft em 2016, o LinkedIn lançou uma série de recursos voltados para tornar a LinkedIn a plataforma mais eficiente e econômica para alcançar o público B2B. Por exemplo, os recursos do InMail Analytics recentemente lançados ajudam você a obter mais respostas e melhorar o desempenho de sua equipe. Os comerciantes B2B estão fazendo mais decisões orientadas a dados com o LinkedIn do que nunca, e a tendência deverá continuar em 2018 também.

Com a tecnologia em ascensão, as possibilidades para as empresas B2B se envolverem com suas perspectivas potenciais são infinitas. Se você não incorporou as novas tendências em seu planejamento estratégico para 2018, agora é o momento certo. Ao ficar bem preparado de antemão e abraçar as mudanças com antecedência, você será o primeiro a colher os benefícios das novas tendências.

 

Anúncios

Como usar white papers (artigos) para geração de leads

white-paper-icon1[1]

Se você está procurando por leads B2B, é hora de começar a escrever, uma vez que os white papers são considerados uma dos melhores métodos de obter leads para negócios. Na verdade, uma pesquisa descobriu que cerca de 60 por cento dos entrevistados disseram que os documentos brancos são uma forma valiosa de gerar novos leads. Isso ocorre porque um white paper de alta qualidade tem a capacidade de chamar a atenção de sua audiência, ganhar a confiança, criar credibilidade e aumentar gradualmente as ligações através do funil. Se você estiver interessado nesses benefícios dos white papers, veja como começar a escrever e promovê-los para obter mais leads.

Escolha um tópico que irá apelar para o seu público-alvo
O objetivo do white paper é fornecer uma solução para um problema que seu público tenha. Isso significa que você precisará fazer alguma pesquisa, começando com quem é seu público-alvo. Se você quiser gerar leads com o papel branco, certifique-se de escrever sobre um tópico de interesse para as pessoas que você espera que eventualmente se tornem seus clientes.

Por exemplo, se você vende impressoras industriais, suas melhores ligações serão pessoas que estão no mercado para comprar uma ou mais impressoras no futuro próximo. Pense nas preocupações que possam ter enquanto se preparam para comprar uma impressora. Eles podem estar se perguntando como escolher o melhor produto, quais recursos eles precisam em uma impressora, ou quando o momento certo para comprar é. Dê-lhes a informação que eles querem e você terá a chance de eles voltarem para você quando é hora de comprar.

Mantenha o conteúdo informativo, não focado no fechamento das vendas
Este não é o momento de tentar vender leitores sobre seus serviços. Você está posicionando sua marca como um recurso confiável e um líder de pensamento em sua indústria, que, por sua vez, criará um relacionamento com seu público-alvo. Mais especificamente, você deseja atrair pessoas que estão no início a meio da jornada do cliente, pois estão reunindo informações antes de fazer uma compra. Então, neste ponto, seu objetivo é fornecer um recurso valioso através de um documento branco cheio de informações que seus leitores podem usar.

Para esse fim, certifique-se de que o documento contém explicações claras e detalhadas suportadas por fatos, incluindo gráficos, diagramas, gráficos e links para fontes confiáveis. Considere o uso de estudos de caso de sua empresa como exemplos, pois esse tipo de fonte não só faz backup de seus pontos, mas também mostra o que sua empresa pode fazer. Não surpreendentemente, o seu white paper não deve ser muito curto se você espera encaixar tudo, então lute por cerca de oito páginas por esse conteúdo longo.

Promova seu papel branco através de vários canais
Agora que você tem um documento informativo, é hora de informar as pessoas sobre isso. Use cada canal ao qual você tenha acesso para promover seu papel e gerar leads, como o seguinte:

Email. Os jornais brancos são mais utilizados como ativos para campanhas de geração de leads. Crie sua campanha em torno do tópico que o documento branco aborda e distribua-o para sua lista de e-mail de opt-in. Forneça alguns detalhes intrigantes, como uma estatística ou gráfico, seguido de um link onde eles podem baixar o paper no e-mail.

Seu site. Seu white paper deve viver em seu site, completo com sua própria página de destino. Sua campanha de e-mail acima mencionada pode direcionar o tráfego para essa página de destino, onde você deseja fornecer um resumo rápido das informações que o white paper fornecerá e facilitará o download, com apenas alguns preenchimentos. Os dados mostram que quanto menos os campos obrigatórios que seus formulários oferecem, maior a taxa de conversão.

Mídia social. Após o e-mail, uma das melhores ferramentas promocionais para o seu white paper são os canais de redes sociais. Claro, você tem que ter dedicado tempo e esforço para construir um seguimento no espaço das redes sociais para que isso realmente valha a pena. Desde que tenha feito isso, compartilhe esse link para a página de destino onde o white paper “vive” em seus vários canais de mídia social. Faça mais de uma ou duas vezes, porque isso não é o suficiente para capturar a atenção dada a quantidade de ruído nas transmissões de redes sociais. Para maior atenção e eficácia, você pode inserir suas postagens com o papel branco no topo de suas páginas do Twitter, Facebook e LinkedIn. Você também pode colocar um orçamento por trás da sua campanha de papel branco e, na verdade, pagar pela exposição ao público altamente direcionado sobre essas plataformas de redes sociais. Quanto mais resultados você quiser, mais dinheiro você deve planejar em gastar para que isso aconteça. Certifique-se de incluir uma imagem relacionada (ou mesmo um vídeo) com o link para que você tenha certeza de capturar a maior atenção possível. Os dados mostram que postagens com imagens no Facebook têm pelo menos 37% mais de engajamento do que aqueles sem.

Postagens no blog. Você sempre deve escrever uma postagem de blog no tópico abordado em seu livro branco e publicá-lo em seu blog corporativo, bem como no seu perfil do LinkedIn … O objetivo desta postagem é o mercado claro e simples: ele deve despertar o interesse de seus leitores e incentivá-los a querer aprender mais. Na verdade, a cópia usada em sua postagem no blog ou em qualquer outro veículo que você está usando para promover e comercializar o papel branco é tão importante e às vezes ainda mais difícil de escrever do que o próprio recurso de papel branco. Vídeo. Você não pode dar errado no vídeo nos dias de hoje, já que 79 por cento dos entrevistados em um estudo disseram que preferem assistir a um vídeo do que ler. Então, faça um vídeo com base em algumas das informações em seu white paper e, em seguida, faça o upload para o seu canal corporativo do YouTube, divida-o em seu site e insira-o na postagem do blog acima mencionada.

Outros sites. você não precisa limitar suas promoções de papel branco para seu próprio site, páginas sociais e lista de e-mail. Você pode fazer algum trabalho de casa e explorar se o conteúdo é adequado para outros sites que podem permitir que você envie uma postagem de convidado no tópico do white paper com um CTA (Call To Action, chamada para a ação) incluído para download. Você também pode escrever um comunicado de imprensa sobre o seu white paper recentemente publicado e usar os serviços de distribuição para dar-lhe algum alcance extra.

Anúncios: Outra maneira de obter mais olhos em seu white paper é estruturar uma campanha do AdWords em torno do tópico do white paper. Coloque um orçamento por trás da campanha e veja se você pode obter alguma tração (e alguns downloads) como resultado. Muitas vezes, as empresas grandes e pequenas investem no desenvolvimento de white papers e outros ativos valiosos que ninguém nunca viu. Eles esquecem que criar o bem é a parte fácil. Obtendo alguém para lê-lo? Essa é a parte mais difícil. Isso requer compromisso, criatividade, escrita excelente, planejamento, às vezes um orçamento pago e muita atenção. Se você está disposto a fazer as coisas mencionadas acima, as chances são boas, o seu white paper fornecerá os resultados que você procura.

Social Analytics Summit 2017

Pessoal,

No último sábado (11/11) participei do Social Analytics Summit 2017, um evento realizado pela media education onde tivemos a oportunidade de ouvir um pouco mais sobre as tendências e desafios para o profissional de Inteligência de mercado, publicidade e propaganda para os proximos anos. Só para você ter uma idéia do flow, segue o line up do evento:

10:00am
TE DOU UM DADO: INSIGHTS NA GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ASSERTIVOS
Bruno HonórioBruno Honório – Mutato
10:45am
TENDÊNCIAS POR TRÁS DOS DADOS
Caroline FerrazCaroline Ferraz – F.biz
11:30am
O PRESENTE E O FUTURO DAS MÉTRICAS
Letícia MiliãoLetícia Milião – Polis Consulting
12:00am
DATA DRIVEN: BI NÃO É SÓ RELATÓRIO
Hugo NakaharaHugo Nakahara – R/GA Luana AzevedoLuana Azevedo – Wieden + Kennedy Ricardo MartinsRicardo Martins – ABlab Roberto FeresRoberto Feres – New Content

12:45pm
PAUSA PARA ALMOÇO

14:00am
PROFISSIONAL DE INTELIGÊNCIA DE MÍDIAS SOCIAIS NO MERCADO BRASILEIRO
Ana Cláudia ZandavalleAna Cláudia Zandavalle – Vert Inteligência Digital
14:20am
AI: COMO UTILIZÁ-LA A SEU FAVOR E COMO ISSO TEM AFETADO O MERCADO
Andrea HiranakaAndrea Hiranaka – Ipsos
15:05am
NAVEGANDO PELOS NÚMEROS
Felipe ProtoFelipe Raffani – iProspect
15:50am
O X DA QUESTÃO: INSIGHTS SOBRE DIVERSIDADE DE GÊNERO A PARTIR DE DADOS DAS MÍDIAS SOCIAIS
Soraia LimaSoraia Lima – SENAC
16:35am
MENSURAÇÃO DE RESULTADOS EM ÉPOCA DE CHATBOTS. E AGORA?
Rafael KisoRafael Kiso – Focusnetworks

Particularmente eu gostei muito do formato: com tendências de comunicação e tecnologia juntos, superou minha expectativa como entrega de uma sessão de mais de 8 horas de conteúdo diversificado. Abaixo minhas notas sobre o que rolou no evento (Moleskine + caneta = melhor método de anotação que você respeita!)

Bruno- Analista de Insights

Os insights geram conclusões e a partir disso temos a etnografia digital, que é a arte de “stalkear” pessoas.

Pessoas > Indivíduo > grupos de convivência > Histórico social > Relações sociais > Comunicação e linguagens > Experiencias individuais e em grupo

União de cenários geram comportamentos, comportamentos geram atitudes, decisões e compras.

Pessoa  – comportamento off-line

Usuário – comportamento digital

Desafios:

1 – Como unificar comportamentos?

  • Entender o usuário
  • Unifique a proposta da marca
  • Não só quantifique. Qualifique.
  • Não se faz conteúdo só para curtir a página. Precisa gerar uma ação de compra.
  • Pensar além do like.
  • Validar o que é negativo
  • Identifique as linguagens dos comentários e classifique-as.
  • Não congele o discurso.
  • Mecanizar respostas é piorar o contato com o cliente.

Etnografia digital:

  • Comportamento de uso de diferentes redes
  • Semântica de uso
  • Tipos de conteúdo
  • Relacionamentos com marcas
  • Dados demográficos
  • Preferências

Metodologias

  • Animus
  • Anima
  • Sombra
  • Persona

Personas – trazem interesses gerais e comportamentos de uso

Análise semântica:

Gosta:

  • Da marca?
  • Do conteúdo?
  • Do meio?

Dicas para a complementar o entendimento do consumidor

  • Pesquisas etnográficas complementares
  • Pesquisas quantis e qualis.
  • Absorver culturas diferentes para entender pessoas e comportamentos

Amostras:

  • Pessoas que comentam a marca
  • Pessoas que só curtem as paginas
  • Pessoas que não tem contato com a marca

Caroline Ferraz – FBIZ

Mestra em inteligência de dados

Mudanças: atitudinal/comportamento

Tendências:

  • Macro: 10 anos
  • Micro: 5 anos

Como mapeá-las? #CHAMANAMETODOLOGIA

Cool hunters: pessoas que fazem pesquisas qualitativas de forma inovadora

A vez dos dados

Tendência não é um dado, é uma interpretação de diferentes dados.

Tríado: contexto, conversa e consumidor geram a tendência

Social listening:

  • Alpha – Os inovadores
  • Beta – A turma do meio
  • Publico de massa

Three is a crowd, and a crowd is news.

Benefício prático:

  • Benefício de identidade: ser diferente como todo mundo
  • Economia compartilhada: bike sharing, Uber, etc.
  • Relatoria: como a caroline comentou sobre áreas que fazem relatórios

Painel de discussão: BI não é só relatório

Não importa o dado, importa a leitura. O BI deixa de ser relatoria para entender mais o comportamento do usuário.

Insight só é algo se ninguém não tinha visto antes.

BI nas empresas sendo independente das áreas.

Tendência de BI ser mais horizontal para ajudar mais o negócio.

Tração e performance:

Agência: criação, mídia e estratégia

Dificuldade de vender BI para as empresas

Dificuldades de formar o profissional de BI: foi comentado que normalmente se cria o profissional de BI dentro de casa devido à dificuldade de encontrar profissionais com o olhar analítico e também visão de mercado, e que os clientes muitas vezes tem dificuldade de trazer os dados de BI interno para conversar com as agências. Também disse que está cada vez mais em foco a automação de conteúdo, algo que coloca todos em atenção, visto que o que paga o BI hoje nas agências são os relatórios que você faz. A média do tamanho das equipes de BI do grupo de palestrantes foi em torno de 4 indo de 2 a 5 pessoas dependendo da empresa e porte.

Andrea Hiranaka – IPSOS

Andrea comentou sobre o IPSOS SMX – Social Media Exchange com a apresentação do IA (Inteligência Artificial) na prática. Comentou que a primeira vez que o termo foi utilizado foi em 1956. Também abordou sobre os diversos métodos e algoritmos utilizados, como statistical semantics, image recognition, speech recognition, NLP e NLG.

Também comentou sobre o Sensidium – tecnologia da IPSOS para montar um framework de análise e os chatbots – case de mercado da Intelligent X

Felipe Raffani – IPSOS

Felipe fez uma ótima apresentação com o tema de métricas, a controvérsia dos diversos modos de se medir um mesmo KPI e a importância de diferenciar relatório de análise.

3 problemas que podem ocorrer no dia a dia:

  • Desconhecimento das metricas
  • Confusão entre acompanhamento e análise de dados
  • Desalinhamento entre o que foi pedido de relatório e o objetivo do negócio

Alcance é exclusivo por plataforma (não somar alcances de plataformas distintas)

Frequência é a média de impressões por alcance

Engajamento se traduz por reações + comentários + compartilhamentos dividido pelo alcance. Também pode ser medida por número de usuários engajados dividido pelo alcance, mas como dito, nenhuma das duas métricas é perfeita.

KPI KGI e META (Performance,General e Meta)

Rafael Kiso – Como mensurar resultados digitais com chatbots

  • Hoje tem mais gente usando aplicativos de mensagens do que redes sociais.
  • Usuários hoje estão nos messengers
  • Foco no conteúdo e na experiência baseada em intenções
  • Interface simples e conversacional
  • é mais barato que app

IBM Watson você pode fazer 10k de requisições e não pagar nada.

Casos de usos dos chatbots

  • Transacionais
  • Comerciais
  • SAC

KPI’s:

  • Intend – é resolver o problema ou solucionar algo para o cliente
  • Taxa de sucesso até 3 intenções
  • O feedback do usuário faz parte da construção do robô
  • Desafios dos cientistas de dados:
  • Demográfico dos usuários de chatbot
  • Principais problemas
  • Simplicidade X Complexidade

Enfim galera, eu sei que o resumo não está tão fluido, mas ao menos ajudo vocês compartilhando um pouco das minhas anotações e espero motivar vocês a procurarem mais eventos como  esse para agregar em conhecimento e network.

Qualquer dúvida ou comentário não esqueçam de entrar em contato, blz? Valeu!!!

Confira algumas fotos do evento abaixo:

%d blogueiros gostam disto: