Me apaixonei por 20 Minutos

Saí tarde do trabalho. Desci à plataforma, para a estação.

Estava chateado, como sempre, por vê-las e saber que não existe verdade dentro delas. Apenas mentiras. No máximo a quimera de um amor romântico, desfeito pelas necessidades sociais de se equiparar às amigas. Observei uma mulher de longe: Blusa vermelha, calças azuis. Nada além disso, cabelos loiros. Normal. Apenas para dispersar um pouco.

<Vila Olímpia>

Entrei,

Uma mulher me outro estranhamente, mais de 2 segundos. Estranho.

Mas tudo bem, estava nas últimas páginas do Neuromancer. Deixa eu acabar pra entender direito essa história {Berrini}

Constructos,  simstim. É, essa história me parece bem real. A carcaça de ferro e acrílico que me leva de volta pra casa, junto com tanta gente.

Aparentemente tristes. Às 19:48 não é possível distinguir o que é cansaço e o que é tristeza para quem volta pra casa. Núcleos de atividade humana que concentram grande parte da mão de obra, trabalho intelectual ou simplesmente mais um estudante que tem uma idéia genial e pode criar uma empresa em minutos. Grandes centros comerciais são assim. À minha esquerda nem liguei mais, não preenchia o meu perfil. Percorri o ambiente em busca da minha manola estereotipada, mas desta vez a minha estatística não funcionou: não havia nenhuma representante nipônica na composição. Back to the book.

Então, notei uma Sophie Ellis Bextor uma porta à frente. De repente, me apaixonei instantaneamente. Seus olhos eram lindos. Os cabelos, cortados maneiramente como que não estivesse arrumado, na verdade foi planejamento milimetricamente justamente à isso.

Blusinha com bolinhas coloridas, e seu tecido nude se misturava com o tom de pele mashironna. Lábios vermelhos cordebatom (Mais fraco que o vermelho da calça da Rizzi hoje no almoço). Granja Julieta

Senti por uns segundos o amor. Aquele amor que destrói nossas linhas de raciocínio e nos fazem perder a noção de uma vida chata e acomodada pela percepção dos padrões de comportamento do seu par. Por alguns milissegundos ela era a pessoa que eu precisava ao meu lado para viver a vida inteira. Calça bordeau, jaqueta de couro e aproximadamente 1,75mt num blassé incrível. Saí dos olhos puxados e cabelos pretos, e entrei de cabeça para fora da bolha.

Santo Amaro:

Achei que ela iria sair, afinal pelo senso comum 60% da população sai nesta hora, e torna a seguir o fluxo por outros modais. Não, ela permaneceu. Meu amor aumentou cada vez mais. Passei a ver os detalhes.

Isto realmente é um problema quando eu passo a ver detalhes, é sinal que estou interessado.

Socorro, a passagem é rápida, e eu acabei o Neuromancer. Ela parecia que estava lá só para adornar o livro. Trinnity, ou Molly? Parecia uma mulher em um filtro anos 60. Amarelada e com tons vermelho e nude. Ainda não devia conhecer dos males das pessoas ou das tristezas que elas nos causam. Parecia ter o olhar tenro, perdido pela janela da composição olhando algo muito além da vista do Rio. {Jurubatuba}  Em tempo: Jurubatuba = Terra das palmeiras. Nada que agregue na narrativa.

Prefiro mulheres de olhar perdido. Estas não tem as convicções falhas das pessoas que acham que sabem tudo, e param ao encontrar o tudo, que é um limite antes do impossível. Mulheres de olhares perdidos têm esperanças além dos olhos, vêem e vem outra direção para a vida. Por isso me apaixonei rapidamente. Você sabe que ainda existe esperança que possa ter algo diferente, que mude sua vida ou mude o que você quer. Olhares perdidos são os do reencontro em meio à descrença dos que te cercam. Deixei offline o Android para ver um pouco mais. (Autódromo_ Ela poderia sair agora, mas se não saiu em santo amaro, ou vai para o primavera ou para o grajaú. Sei lá, eu não ligo para essas coisas. Ultimamente não quero prestar (atenção).

Um Dejavú ao lado dela: A mulher de blusa vermelha. Estava sentada (Pessoas sentadas estão cansadas), e eu tirei os olhos dela por alguns momentos para ver esta outra. Mas a mesma estava de Sneaker, moda passageira. Bocejava, não ligava muito para os outros, e estava no assento preferencial. Voltei à manola.

Primavera Interlagos, aqui acabam as coisas. Eu vou, ela fica e vai para a última. Não, ela desceu. Durante estes momentos se ela olhou duas vezes pra mim foi muito.

Então, dei shutdown nos constructos do amor. Emulei o máximo que pude, cheguei a ter uma paixão de 20 minutos, mas a vida é assim. Ela nunca mais vai me ver, e eu: idem.

As portas se abriram, eu na frente, e ela uma porta atrás. Segui meu caminho. Possivelmente ela não me notou, e se notou, deu de ombros. Voltei minha mente à minha segurança de vida e desci as escadas.

Passada a catraca, as vidas voltam ao seu rumo, mesmo que nunca tenham saído dele.

Me apaixonei por 20 minutos.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s